Por Bob Kellemen

Sétima Parte

Uma das partes mais difíceis da cura para o Natal é a espera. Todas as outras pessoas estão esperando com uma alegre expectativa a reunião familiar, o grande jantar, a entrega dos presentes. E nós só estamos esperando que isso tudo acabe para que logo voltemos ao “normal”, o que quer que isso signifique desde a nossa perda. Isso é normal e natural – queremos sobreviver às festas.

E como seria o sobrenatural? Que tipo de espera espiritual poderia nos levar a florescer mesmo em meio às festas? O que poderia nos levar à cura?

O dia da espera

Tony Compolo prega uma mensagem na qual ele repetidamente costuma dizer: “É sexta-feira, mas domingo está chegando”. Ele quer que sua audiência concentre a atenção na verdade da sexta-feira, a crucificação de Cristo, e na verdade de domingo, a ressurreição de Cristo. Eu mudaria um pouco a metáfora, pois não estamos vivendo a sexta-feira, estamos vivendo o sábado. Simbolicamente, a vida vivida no planeta terra caído é como viver o sábado – o dia entre a crucificação e a ressurreição. O dia da espera. O dia que testa a nossa confiança.

Você nunca verá a espera como um dos estágios do sofrimento nas pesquisas acadêmicas, pois ela não é natural em um mundo caído. Ela é sobrenatural. A esperança aguarda. A esperança recusa-se a exigir o céu para agora. Esperar é aguardar a provisão de Deus sem trabalhar para alcançar tal provisão por si mesmo. Esperar é recusar-se a assumir o controle e, ao mesmo tempo, recusar-se a desistir. Esperar é recusar a ideia de salvar a si mesmo.

No contexto da dor, a espera diz: “Quero me sentir melhor. Eu gostaria que as coisas voltassem a ser como eram, mas confio no bom coração de Deus. Sei que um dia Ele enxugará todas as lágrimas. Hoje eu sei que Ele tem bons planos para a minha vida lá adiante”.

Lembrando-se do futuro

A espera encontra suas raízes no Antigo Testamento. Os profetas prometeram a Israel que um dia melhor viria, mais tarde. Os escritores do Novo Testamento desenvolvem o tema da espera quando nos estimulam a termos paciência, perseverarmos, suportarmos o sofrimento e permanecermos debaixo do sofrimento sem entrar em desespero (Romanos 5, Tiago 1, 1Pedro 1-2 e Hebreus 11). A Bíblia nos diz que na espera nós agarramos a corda da esperança de Deus, mesmo quando não conseguimos enxergar.

Moisés nos ensina que agarramos a corda da esperança de Deus quando nos lembramos do futuro.

Pela fé Moisés, já adulto, recusou ser chamado filho da filha do faraó, preferindo ser maltratado com o povo de Deus a desfrutar os prazeres do pecado durante algum tempo. Por amor de Cristo, considerou sua desonra uma riqueza maior do que os tesouros do Egito, porque contemplava a sua recompensa (Hebreus 11.24-26).

Não houve uma solução rápida para Moisés. Ele não ganhou nenhum “manjar turco” da Feiticeira Branca de Nárnia. Não desfrutou dos prazeres do pecado por um curto tempo. Por que? Como ele pôde esperar? Ele escolheu o prazer eterno em vez de felicidade temporal. Ele se lembrou do futuro.

A fé olha para o passado lembrando-se das obras poderosas de Deus e diz: “Ele fez isso naquele tempo; Ele pode fazer isso agora”. A esperança olha o futuro lembrando-se da recompensa vindoura de Deus e diz: “Considero que os nossos sofrimentos atuais não podem ser comparados com a glória que em nós será revelada. A natureza criada aguarda, com grande expectativa, que os filhos de Deus sejam revelados” (Romanos 8.18, 19).

Sua jornada e diário da espera

  1. A fé – Lembre-se do passado: Pense em uma época na qual Deus trouxe esperança, alegria, novidade e ressurreição para a sua vida após alguma perda.
  • O que Deus usou para a sua vitória espiritual?
  • Como você esperou em Deus agarrado à Sua corda de esperança mesmo quando não conseguia ver nada adiante?
  • Como você começou a ver Deus de forma diferente? Como você começou a experimentar mais de Sua bondade? Como você foi capaz de amá-lO mais profundamente?
  • Quando você encontrou a força dEle em sua fraqueza, o que Deus foi capaz de fazer por meio de você?
  1. O amor – Encare o presente: O tempo de Deus e o seu tempo estão, frequentemente, há anos luz de distância.
  • O que você está vivenciando ao esperar em Deus?
  • Como seria para você esperar em Deus agora?
  • Explore passagens como Romanos 5, Tiago 1, 1Pedro 1 e Hebreus 11, que ensinam como esperar em Deus em meio ao sofrimento. Parafraseie a mensagem deles para a sua vida hoje.
  • Encontre um amigo em quem você tenha confiança e compartilhe suas esperanças e sonhos.
  1. A esperança – Lembre-se do futuro: A esperança espera.
  • O que você está esperando de Deus? Como está sua confiança na provisão futura de Deus?
  • Paulo considerou que seus sofrimentos presentes nada eram em comparação com a glória que será revelada em nós (Romanos 8.18, 19). Em que glória futura está seu foco?
  • Leia Apocalipse 7. Como essas imagens da sua esperança futura lhe dão esperança no dia de hoje?

O resto da história

A esperança de cura não significa que fingimos que tudo vai bem. Ao contrário, na parte seguinte, aprenderemos que florescer no Natal significa estarmos grávidos de esperança. Pense nisso – a dor da gravidez está presente, mas também está presente a alegre antecipação do nascimento de uma nova vida.

Pense nisso

O que você acha de se agarrar à corda da esperança de Deus mesmo quando não consegue ver adiante?

Clique aqui para fazer o download de todo a reflexão (via Issuu)