Depois de conduzir para fora todas as suas ovelhas, vai adiante delas, e estas o seguem, porque conhecem a sua voz. “Eu sou o bom pastor; conheço as minhas ovelhas; e elas me conhecem; assim como o Pai me conhece e eu conheço o Pai; e dou a minha vida pelas ovelhas. (João 10:4, 14-15)

Eu cresci em uma pequena fazenda na área rural do Canadá, e dessa época me lembro de ver meu avô cuidar do crescente rebanho de ovelhas que estava amontoado, no antigo celeiro que já existia há seis gerações, para o inverno.

Havia ternura em suas mãos calejadas e calor que irradiava nada menos que um amor duradouro. Todos os dias ele alimentava o rebanho com grãos e feno. Ele medicava as ovelhas doentes com penicilina. Frequentemente, acordava horas mais cedo para se certificar que ao nascer as pequenas ovelhinhas estariam em segurança. Se o encanamento congelasse durante uma tempestade de neve, ele seria o primeiro a vir com uma chaleira de água quente para derramar ao longo dos tubos congelados que se alinhavam a manjedoura.

Todos nós que trabalhamos ao lado do vovô sabíamos do seu amor pelo rebanho. Mas eram aquelas simples ovelhas que mais conheciam o seu amor.

“Vem Nannie! Vem Nannie”! Vovô as chamava com um tom firme, mas gentil. As ovelhas nunca se assustavam ou entravam em pânico por causa do seu aceno. Elas ansiavam por sua voz de liderança amorosa. Elas seguiam sua cadência e ritmo enquanto ele as alimentava e as liderava dia após dia.

Como elas poderiam não confiar nesse bom pastor?

Traz-nos conforto saber que, como meu avô, Jesus é nosso Bom Pastor. Ele nos conhece pelo nome. Ele deu Sua vida por nós, Se humilhou como um bebê na manjedoura, e, embora fosse inocente, até mesmo morreu em uma cruz.

Sim, o caminho pelo o qual Ele nos conduz é muitas vezes cheio de curvas e dificuldades. Mas como nós podemos não confiar em Jesus, o Bom Pastor?

Por Dr. Scott Barfoot, diretor do programa de doutorado em ministério.

Tradução de Deborinha
Original em DTS