Lucas 1.30-33

Mas o anjo lhe disse: “Não tenha medo, Maria; você foi agraciada por Deus! Você ficará grávida e dará à luz um filho, e lhe porá o nome de Jesus. Ele será grande e será chamado Filho do Altíssimo. O Senhor Deus lhe dará o trono de seu pai Davi, e ele reinará para sempre sobre o povo de Jacó; seu Reino jamais terá fim”.

Natal de Verdade Anjo Maria Gravidez filho mais que especial

Era óbvio que Maria estava assustada com o que acontecia. Afinal de contas, quem é que espera a visita de um anjo? O que possivelmente a deixava ainda mais assustada era que, além da visita, o anjo falava com ela.

Maria estava no meio da compreensão daquilo que mudaria para sempre a sua história e a do mundo: “Você será mãe,” disse o anjo. Que notícia agradável para Maria… Que notícia agradável para o mundo!

O presente para a jovem moça era extremamente peculiar. Em primeiro lugar, porque Maria era virgem. Como todos nós sabemos, é humanamente impossível conceber um filho nesta condição, no entanto, era exatamente isso que aconteceria com Maria. Em segundo lugar, porque o bebê que a virgem daria à luz era o Messias.[1] O povo judeu, do qual José e Maria faziam parte, aguardava com muito anseio e otimismo por Aquele, sobre quem o anjo Gabriel disse:

– Você porá o nome de Jesus. Jesus vem do nome hebraico Yeshua, bastante comum naquele tempo. Ele significa Javé salva.[2] Sabemos, em função de uma situação posterior a esta, quando o anjo falou com José, o porquê do nome Jesus: você deverá dar-lhe o nome de Jesus, porque ele salvará o seu povo dos seus pecados (Mateus 1.21). O bebê que Maria daria à luz levaria consigo o divino propósito de proporcionar a salvação da consequência do pecado: Pois o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor (Romanos 6.23).

– Ele será chamado Filho do Altíssimo. A expressão Altíssimo era comum entre os judeus do primeiro século como sinal de reverência a Deus sem dizer Seu nome. Os ouvidos de Maria entenderam muito bem essas palavras, cujo significado aponta para o caráter de seu filho: Jesus seria como o Pai.

– O Senhor Deus lhe dará o trono de seu pai Davi. A antiga monarquia de Israel não mais existia como no passado. No entanto, o filho de Maria era descendente daquele com quem Deus havia feito uma aliança, Davi: sua dinastia e seu reino permanecerão para sempre diante de mim (2Samuel 7.16). Deus é fiel às Suas palavras.[3]

– Ele reinará para sempre sobre o povo de Jacó. Além da conservação do trono na dinastia, a aliança de Deus com Davi prometia o cetro e a coroa para sempre sobre o povo de Jacó (nação de Israel). No entanto, como aquele bebê poderia garantir o cumprimento da promessa sobre reinar para sempre?

– Seu Reino jamais terá fim. A possibilidade de algo ser infinito (sem fim) ou para sempre em ralação ao filho de Maria, somente seria possível, se Ele, sobre quem o anjo anunciava, tivesse a mesma essência de Deus. O filho de Maria era alguém singular. Todos os evangelistas, Mateus, Marcos, Lucas e João mostraram com clareza sua divindade e realeza.

Todas as descrições do anjo apontavam para um milagre: Aquele que é a Palavra tornou-se carne e viveu entre nós (João 1.14). A Palavra era o próprio Deus: No princípio era aquele que é a Palavra. Ele estava com Deus, e era Deus (João 1.1 – Grifo meu). Jesus era o próprio Deus encarnado!

Você consegue perceber quem é exaltado no texto? A mãe ou seu filho? Maria ou Jesus? Você consegue perceber quão especial, quão singular, quão diferente era o filho de Maria?

Isso porque Jesus era e é o próprio Deus. O Antigo Testamento,[4] escrito por diversas pessoas, de diferentes tempos, fala sobre o filho de Maria do princípio ao fim (veja Lucas 24.27,44). Eu, particularmente, não tenho fé suficiente para crer em outra coisa senão nas Escrituras Sagradas, que me apresentam o incrível filho de Maria, Jesus, para que eu, maravilhado, seja rendido à necessidade mais básica de todo ser humano: relacionar-me com o Criador.

O verdadeiro Natal nos conduz a avaliar nosso relacionamento com o Pai, por meio do relacionamento que temos com o Filho. Como está o seu?

Uma oração:

 “Senhor Deus, não sei bem ao certo como está meu relacionamento contigo.
Por favor, ajude-me a avaliar-me segundo a tua vontade. Amém.”

 


[1] Palavra de origem hebraica que significa Cristo.

[2] Javé é a forma portuguesa de dizer Yahweh, cuja tradução em nossas Bíblias é SENHOR.

[3] Ainda que seja um clichê evangélico, a popular frase “Deus é fiel” é verdadeira. No entanto, o equívoco popular é dizer que Deus é fiel a elas, às pessoas, quando, de fato, Deus é fiel a Ele mesmo, às Suas próprias palavras.

[4] Primeira parte da Bíblia cristã, escrita antes do nascimento de Jesus.

Dúvidas?
Entre em contato.

Haz clic aquí para la versión en español